segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Quem está desapontado com as vendas do IPhone?

"As vendas do iPhone no Brasil foram um "fracasso" na análise das operadoras. Alguns institutos de pesquisa afirmam que, até agosto, foram vendidos no país 175 mil aparelhos da Apple. Entre os fabricantes, circula um número diferente, um pouco superior a 100 mil unidades.


A demora da chegada do produto ao país e o preço elevado foram os motivos apontados para o fraco resultado. As operadoras brasileiras levaram um ano negociando com a Apple para quebrar seu protocolo comercial e lançar o aparelho no país."


Leia aqui a notícia completa na Folha Online.


Precificação é sempre uma questão delicada. Se você começa a vender muito, pensa que poderia estar cobrando mais caro. Se vende menos do que esperava, pensa que se baixar o preço aumenta... Nessa hora, o que dá a diretriz é o posicionamento de marca da empresa.


O IPhone venderia mais se fosse mais barato? Sem dúvida, como também a Apple venderia mais o computador Mac se fosse mais barato. Mas a estratégia da empresa não é essa. A estratégia da empresa é de posicionar os produtos como de alto valor, tanto aqui como no resto do mundo.


Sobre este caso específico, tenho uma opinião simples: a Apple tem um posicionamento claro e segue ele à risca. Simples assim. Quem não estava acostumado com este posicionamento eram as operadoras de telefonia celular, que sempre esperam agressividade dos fabricantes de aparelhos no varejo. Tanto é assim que quem faz uma leitura de "fracasso comercial" são as operadoras, e não a Apple...


Pra fechar e refletir: quantas vezes nós, como vendedores, reclamamos do preço ao invés de procurar o público mais alinhado com o posicionamento da nossa empresa?

Um comentário:

Augustão Power disse...

Isso é reflexo de uma leitura inadequada do mercado, e de uma mensuração de estoque mau calculada.
Aqui em Brasília, por exemplo, constantemente o iphone está em falta, não importa seu preço.
E quando está em falta as pessoas aqui costuman viajar e comprar fora do pais, não são poucas as pessoas que conheço que ao se deparar com a falta de iphones no mercado local dão uma "escapadinha" para a argentina ou para os estados unidos para fazer umas comprinhas.
Sei que não acontece o mesmo no resto do país, mas aqui o problema com certeza não é o preço.